O Brilho do Talismã

Reflete os problemas em plena luz do sol
As dores da Hollow Point não saram com Gelol
Meu dia hoje começa antes do futebol
O que conforta é saber que à noite tem cerol

Verdin no véu que hoje eu tô de Golf, man
Disposição pra catar quem tá de mil e cem
Só quero as de cem, nesse domingo louco
Batendo continência em cada quina desse morro

Eu meio talibã, nesse Vietnã
Correndo atrás do que é meu na mira dos ROTAM
Conecta os Nextel, e as torres de Babel
Tá combinado, nóis às quatro em frente ao posto shell

Já to de Whisky no gelo diey, a fita virou
Sempre de cima, né não, fei, os malote constou
Os policia até embaçou, mas, dinheiro constou
Os cana viu as de cem, a farde perdeu valor

Me mostra qual distintivo que o dinheiro não compra
Entre os doze discípulos, um se vendeu pela grana
Pra quem cresceu no perigo, na terra desses piranhas
Tirando luxo do lixo, castelo erguido na lama

A noite acaba e o sol não alivia a dor
O tempo passa (yeaah) então viva até chegar ao fim
O medo é quem te enlouquece, de amor e ódio (uuuh)
A vida é foda (eu sei) então viva até chegar ao fim

Sequelas que calejam mãos de quem nasceu herdeiro
Das dores, dos cortes, do sangue, eu continuo ileso
Sofredor, mas com peso, lealdade e respeito
Consequência que prova que a vida é um momento

Colecionando êxito, algemado no erro
Ataque é o meu espelho, eu jogo do meu jeito
Meu lado certo é o lado errado que me traz dinheiro
No peito esquerdo crucifixo, coração de gelo

Salve gordão
Já to chegando aqui na zero vinte
Trânsito tenso nessa porra que tá tendo blitz
Cê ta no Honda Civic?
Com aquelas aro 20
No porta-malas tem a grana e a garrafa de whisky
Vou me atrasar um pouco, pode pegar descendo
Encontra o Killy, se adianta e faz os corre nêgo

Mais o Inimigo público, consagrado no gueto
Desde pequeno rústico, viveu seu julgamento
A rua hoje é meu púlpito que eu tomei por direito
À custo do dinheiro sujo, errado, perfeito

Criaram um monstro e o susto
Teve sua causa e efeito
Aprendeu á ser injusto
Com a justiça do Gueto

A noite acaba e o sol não alivia a dor
O tempo passa (yeaah) então viva até chegar ao fim
O medo é quem te enlouquece, de amor e ódio (uuuh)
A vida é foda (eu sei) então viva até chegar ao fim


Então estoura champanhe e aprecia o céu
Me empresta o isqueiro, que hoje o vermelho vem do véu
Eu penso no porquê, da gente se envolver
A vida muda e amor de puta faz sofrer

2012, 3 de março ás 11:00
O frevo bate a porta, pô, cadê meu telefone?
Lembrei dos homem, e na pista brilha os cone
No chão vi um boné e uma peita da ciclone

Neurose me consome, me deixa no stress
Eu meto o pé pra longe e só retorno às dez
Eu e meu horizonte são momentos fiéis
Eu e meu eu, meu clone, pensamentos fiéis

Louco, querem o que o vento soprou
Quem desconhece desse medo é avassalador
No crime, sujeito homem homem desperdiça o amor
Redime, o sentimento e veja oque sobrou

Só um orgulho cego
Rumo maldade, um ego
Sentiu a dor do prego
Pra cristo nem um credo

Espera quem te considere estender a mão
Enquanto a vida acelera, vamo nesse mundão.

A noite acaba e o sol não alivia a dor
O tempo passa (yeaah) então viva até chegar ao fim
O medo é quem te enlouquece, de amor e ódio (uuuh)
A vida é foda (eu sei) então viva até chegar ao fim

Vídeo incorreto?