Dê-me a cadeira onde te esperei


A sua amiga nos apresentou
aquela que diz que adivinha o que está por vir
não sei mais o que dizer
sentado na beira da calçada
você se lembra de mim?

dê-me a cadeira, cansada da esquina
onde esperei você, onde sempre esperava, amor
posso lhe dar um sorriso de presente
e fazer uma canção
e um lenço de luares
lhe darei tempo para se cobrir
e uma promessa, garota,
se eu encontrá-la um dia
penso em lhe dar de uma vez
todos aqueles beijos que você merecia

na ponte da esperança
buscava um cantinho para rir
pensando que valeu a pena amar você
passamos momentos tão românticos
e achamos cantinhos para nos apaixonarmos
a rua do pensamento
me leva àquela esquina não sei se você se lembra,
dê-me a cadeira que tem arte
passo em frente à sua porta quase todo dia
eu passo e você decide
quando vai aparecer

e até voltaram das rimas
imagens brincando, presas a não sei o quê
certo de que era abril
voltaram todas, todas menos uma
que se esqueceu de mim

que o lenço é para chorar
e não há remédio para curar
se eu encontrá-la na minha covardia
penso em lhe dar de uma vez
todos aqueles beijos que você merecia

na ponte da esperança
buscava um cantinho para rir
pensando que valeu a pena amar você
passamos momentos tão românticos
e achamos cantinhos para nos apaixonarmos
a rua do pensamento
me leva àquela esquina, não sei se você se lembra,
dê-me a cadeira que tem arte
passo em frente à sua porta quase todo dia
passo e você decide quando vai aparecer
quando vai aparecer?