A arte de um pouso suave


Estou construindo uma jaula para mastigar coisas,
Longe de onde os ratos podem mastigar meu cérebro.
Perdendo o jogo e a plataforma irregular,
os blocos da construção em ruínas...

Estou ficando insano com meus olhos amplamente abertos,
O palco definiu o tom.
Mastigando a dor e ela não para de se reproduzir,
Ela se move de quadro à quadro...

Eu empurrei meu campo, agora ele se torna isso,
Eu toquei meus sonhos, mas eu ainda sangro.