No rain, no rainbow (tradução)


Com o sol poente à frente, a liberdade que se levanta. Ao leste, a sombra chamada solidão vai aumentando.
Quando me destraio a tristeza transborda
Sem poder me retratar pela época em que machucava as pessoas sem preceber

O caminho de volta em que chorei por ter ralado a palma da mão e o joelho, surgem e somem
O brilho do momento que cruzei com a menina que gostava no corredor após a aula enuveia

Quando a lágrima cai é como se a partir dos pés um arco-íris se espalhasse, me levando ao paraíso
No momento que chego, o alarme do celular me chama para a realidade

Em algumas épocas, as pessoas tentam machucar o mesmo que foram machucadas
Em algumas épocas, as pessoas tentam ser amadas o mesmo que amaram
De um em um, a realidade apenas ultrapassa o ideal, e vai em direção ao futuro

No caminho de volta muito sozinho, continuo a andar levando a vontade de ter alguém comigo
Ando passando as unhas nas pequenas desculpas espalhadas pelos cantos da rua
Nunca é tarde, não é tarde demais. Vou tentar acreditar nessas palavras, sem pensar muito
Fora da lógica, tenho algo que preciso fazer, algo que deixei incompleto

A minha vida até agora, com certeza, não foi nada incrível
Ao menos, a partir de hoje, vamos cantar a luz. Se for agora ainda dá tempo
Mesmo que não seja uma luz linda e pura, é melhor do que desitir. Vai, atravesse a escuridão

Sem chuva, sem arco-íris Levante a mão aos céus
Para o céu aberto, cante a prece