Onda de moral que traz o sofrimento fora do normal, que me destróI por dentro

Quem determina as regras desse andar?
Sem culpado ou vilão, só dois lados que criam o vão.
O nosso precipício

De lá os muros, reforçam o que nos corróI.
Qual dos caminhos, mais te conquistou?

Quem se habilita a se render ao a?
Nunca se entregue sem saber que lá, nada mudou.
Nem as verdades que é forçado a negar, se vão
Finquei os meus pés aonde o chão ainda é vivo

Deixe que seus orgulhos, tragam (e aceite)
O oposto do que devia receber (lado b)
Pra saber que não há como apagar (nós escolhemos)
Pra testar até onde vai sua razão

Restou um só som, que não faz questão nenhuma de dizer quem é quem
Pra que viver, se for só hesitando?
Todos são páginas, sagas que rumam sempre ao mesmo fim

Pra que viver, se for só venerando?
Todas as páginas, nosso começo não espera o fim

A proteção que me entrega eu recebo
Outros dos nossos caminhando cegos, eu não quero mais

Vídeo incorreto?