Templo do gato


É o século VIII. Eu sou uma garota maia, indo para o Templo Jaguar, em Tikal, na
América Central

[Jacqueline Govaert]

Brilhe em mim, sol do submundo
Me liberte, persiga a noite
Orgulhoso Jaguar, rei dos deuses maias
Estrela brilhante, ilumine o céu

E me guie para o Templo do Gato

Coração do céu, Criador e Furacão
Olho todo poderoso, ceifeiro da vida
Nós nascemos apenas para falar o seu nome
Traga o amanhecer, nós louvaremos o céu

Aqui dentro do Templo do Gato

Sobre esse trono o alto padre endereçou a coroa
Agora está cravado na pedra seu nome sagrado
Contas de jade adornam sua mortalha de algodão
Sua lâmina de prata em uma corrente de ouro

Ele descansa aqui no Templo do Gato, morto
Ele se erguerá novamente do Templo do Gato