Quando a fábrica apitou e o trabalho terminou,
todo mundo se mandou,
sem desejos de voltar.
Como o mar não tá pra peixe,
ai, mulata, não negues teu cabelo.
E, aproveitando esta deixa,
vem viver, me comer, vem me dar,
renascer, descansar.

O sol posto
enxuga o suor do meu rosto,
que eu não sou cativo por gosto:
estou vivo e berrando da geral.
E a moçada é que faz de fato a festa,
em cidade como esta,
onde ser gente é imoral.
- Conheço a lua
e não conheço o meu quintal.
- A culpa é tua.
Eu cantei todo esse mal.

Eu... A andorinha
contou que, sozinha,
canta, mas não faz verão.
Tem boi na linha.
É o mesmo trem, a mesma estação.
Resumindo:
-Até logo, eu vou indo.
Que é que estou fazendo aqui?
Quero outro jogo,
que este é fogo de engolir.

Vídeo incorreto?