Eu venho do sol ardente
Procuro um lugar ao sol
Eu sou um sobrevivente
Da seca do seridó
Não tenho pão nem abrigo
Trouxe a família comigo
Quero mudar pra melhor
São muito boas seu moço
As terras do meu sertão
São ricas férteis seu moço
Dá tudo em plantação
Mas quando falta invernada
São pobres não valem nada
Só há poeira no chão
De burro não estudei
Esperei chuva do céu
Agora sinto o problema
Debaixo do meu chapéu
Uma cabeça tapada
Que não entende de nada
Com filhos para criar
Sou leigo igual a um jumento
Me dê trabalho eu enfrento
E à noite vou estudar

Vídeo incorreto?