A quanto tempo eu vivo
Suplicando esmolas de amor
E você fingindo que não vê

Não quero muito,
Quero cheiro no cangote
Sem que todo mundo note
Meu gesto namorador
Logo em seguida
Que me arroche num abraço
Nem que seja no espaço
Do sorriso anulador
Não peço muito
Deixe de tanta besteira
Meu botão de laranjeira
Meu pé de manjericão
Quanta zoada
Só por causa de uma esmola
Vontade também consola
Não quero beijo mais não