São vinte dias desde junho a noite é longa
Atiço o fogo e o inverno já chegou
Dedilho o pinho o cabresteando uma milonga
Eu sou dos tauras que jamais encarangou

Preparo a alma pra enfrentar essa invernia
Porque a carcaça o tempo já retemperou
O coração ressolana de nostalgia
Campeia a china que a lo largo se extraviou

Nesta invernia, que noite bravia
A chuva judia a alma da gente
O frio não abate o queixo que bate
Pedindo um aparte pra um mate bem quente

A inspiração que no meu peito ainda floresce
Reporta versos pra os confins da madrugada
Sobre a fumaça do braseiro que me aquece
Abriga sonhos que colhi pelas estradas

Pouco me importa o minuano no meu rosto
Pois todo ano me deparo com esse qüera
Sepulto geadas de junho ao fim de agosto
Pra colher flores no final da primavera

Vídeo incorreto?