Mira-Tejo com carinho, Stand Up

Fecham os olhos olham pro lado como se nada se passasse
Não entendeu um senso esconde na refunda não disfarça
Querem muitos filhos que fizeram não criaram
Voltar sem dividas encarcerados pois mudaram
Cozinhar batata pra muitas bocas
Batata não descasca
Cota tem sido Avó foi encontrado na tasca
Em casa tem de se usar tudo um pouco
Fecha a torneira, apaga a luz,
Um gajo são... Um gajo dá...
Nisso eles querem paka todos têm os seus skills
E fazem que não sabem nada
Mas sabem dos seus crimes
E ganham crédito
Cenas que não fazem nem queres viver tu
Criminosos viram criminosos
Disfarçados de boys em grupos
Porque a escola da rua é foda... yo
Não é preciso levar facada nem tiro pra ser real
Yo.. não somos alunos somos canalhas
As férias são lixo passadas na cana stressa por um filtro levar par de mortalhas
Tempos pintados num copo
Anos ficando mais velho
Elas degolam a sorte
Damas olham e passam
Não sou eu que as provoco
O meu people com saudade
Sempre na tuga me desloco
Tempos que olhava pelo meu pits
Sentia-me o dono disto
Tentamos não fazer paka nem nada
Sentíamos homens
Dos altos e baixos... De baixo pra baixo
Do está pior, do está na mesma
MC's falam da mesma shit, cada um com o seu problema
A yo Boy Man

Todos os dias... toda a hora
Nós lutamos lá fora
Seja bem... seja mal
Logo vou e a mãe chora
Tanta gente ama a sorte
Ama a vida, até à morte
Que te assusta, protege
Só vivemos as sirenes

Todo o ghetto a altas horas
Lá fora, de olhos fixos na rua
Que nos pus mais pregados que Jesus no crucifixo
No meio de farmacos ilegais
Substancias alcoólicas
Brothers sugistados em conversas melancólicas
Porque é que se mata pelo pão, por que o pão aqui é pouco
Quando não é pelo pão, outro bairro dá-te troco
O nigga vê-te na ilusão porque a realidade virou louco
O nigga grita pela interpretação, ninguém o ouve, vira rouco
Vira cego, surdo e mudo, escola perde significado
A rua vira local de estudo, lá lábias tudo, lá se diz tudo
Dinheiro, tocas violências, lá lábias tudo, quando diz tudo
Se mistura, satura no meio das nossas hors
Esperas as manhas melhores, se o sol nasce com novos estores
Os mesmos filmes, os meus scores
Chinados pela miséria
A Cabeça ao frio, olhares gelados como a Sibéria
Aqui não à prendas à medida que o natal se entulha
Quis ai eu a única cena que se embrulha
Crescemos aos passos da justiça
De carros ápice ou poucos
Viramos homens infantis
Dialogamos ao tiro e ao soco
É que não trás felicidade
Mas trás carros, jóias e ténis
E mais oportunidades de poderes molhar o pénis
O mundo não quer seres humanos
Só sobrevivem super-mans
Mas sabes onde isto acaba, isto acaba com sirenes
Isto acaba com sirenes brother

Todos os dias... toda a hora
Nós lutamos lá fora
Seja bem... seja mal
Logo vou e a mãe chora
Tanta gente ama a sorte
Ama a vida, até à morte
Que te assusta, protege
Só vivemos as sirenes

Desastres de automóvel
Sangue no asfalto
Assaltos à luz do dia
Rappers que sonham alto
Drugbah é ás seis da tarde
Fumo muita baza violência doméstica
Brothers sem vontade de voltar a casa
Cabeças queimadas na coca na caiar
Adultério, muito corno
Tudo aqui muito (...)
Policias cospem fire
Gangsters que respostam
Mortinho sete e meio dou gangsters que abalam
(...)
Dou a bola a recossar a carapinha
Festos e baptizados
Haviam grandes carros alugados
Enfiavam na carrinha
Agora é o bot a vida a fumar grandas jantes
Vida de bandido que aprendeu com os niggas boy que reinavam dantes
Chega um pouco pois sabes tudo és especialista
Indivíduos viciados barram que te procuram
(Vida da babilon racista)
Tem nomes que criam como uma joras da boca deitam fumo
Trocaram ó calino deito no sumo (assumo)

E assim continuam histórias
Até ao dia da estrela
Em celas
Partilhadas com alguém que dormia arrentela
Porque querem fechar ameaça que constituis
E tu vais dessa mentira até que a vida concluis

Não se preocupam com o que tem mas mais com o que tu possuis
Brothers ficam fudidos porque tão na mema e tu evoluis
Silêncio noite caminho desconfio com medo tu tremes
Eu não consigo dormir... Porquê?
Porque eu só oiço as sirenes

Todos os dias... toda a hora
Nós lutamos lá fora
Seja bem... seja mal
Logo vou e a mãe chora
Tanta gente ama a sorte
Ama a vida, até à morte
Que te assusta, protege
Só vivemos as sirenes

Todos os dias... toda a hora
Nós lutamos lá fora
Seja bem... seja mal
Logo vou e a mãe chora
Tanta gente ama a sorte
Ama a vida, até à morte
Que te assusta, protege
Só vivemos as sirenes

Come On...
Arrentela stand up
Stand Up Nigga's
Mira-tejo Stand Up
Stand Up yo
Yo... Com talinho stand up
Pa toda a margem sul
Niggas Stand up

Vídeo incorreto?