Eu não consigo mais ter que esconder
O quanto dói se toda vez
Temos que separar
Secaram todas as lágrimas
Você tirou de mim o que eu senti
Nunca ninguém me amou do jeito que você me quis
Ainda é novo para min
Às vezes fico sonhando
Num futuro distante
Estaremos nós
E me dá um nó
Porque sei que o presente
É incerto e ausente
E a realidade dói
Você mudou meu jeito de sentir
Tua coragem me fez ver
Da forma que eu nunca vi
Iluminou tantas sombras em min
Nunca negou meu jeito de existir
Pegou no colo a criança abandonada
Que não podia dormir
Será que temos a chance
De viver nossos sonhos
Quando amanhecer
Será que a gente vê
O Destino filmando
A nossa memória
E nos deixar viver
Somos duas águias no céu a voar
A voar
Que procuram na compaixão do vento
Um galho para pousar
De encontro ao mar
Pra navegar
Como dois golfinhos
Seguem rindo da ironia
Nós conseguimos o raro
Duas almas que unem
Sem deixar de ser
Sem deixar de ver
Que nada é eterno
Mesmo invencível
O amor há de vencer
Seguindo o infinito pra voar, pra voar
Procurando na compaixão do vento
Um campo pra pousar
Pra mergulhar e voltar
As águas mais profundas
Onde não há o tempo
Pra separar
As águas mais profundas
Onde não há o tempo
Pra separar

Vídeo incorreto?