Sou filho do norte do meu Paraná
Nascido e criado lá em Cambará
Lugar de riqueza, miséria não há
Quem quiser dinheiro é só trabalhar
O paranaense do sul ou do norte
É bem sacudido, é rígido e é forte
Enfrenta o perigo, zombando da morte
Cortando madeira ou fazendo transporte

Em Apucarana, chega os boiadadeiros
Com gado de corte e gado leiteiro
Fazendo negócio que é muito rendeiro
Trazendo a boiada, cheia de dinheiro
Esta zona é boa, não é por falar
Só não acredita quem não foi por lá
Aqui distante, garro a recordar
Das noites de lua lá de Maringá

Cornélio Procopio também tem fartura
Sua terra vermelha tem agricultura
Seu povo educado tem muita cultura
Tem cada morena que é uma doçura
Nesta mesma zona, não muito distante
Tem outra cidade, futuro gigante
Sua terra se vende a peso de diamante
Seu nome na história chama Bandeirantes

Capital do norte dizem que é Londrina
E tem Santo Antonio que é de Platina
Em Jacareziho tem cada menina
E tem o valor, é da libra esterlina
Cantei em Cambé e em Mandaguari
Lá em Arapongas, eu me diverti
Paraná do Norte, terra em que nasci
Fiz minha homenagem, vou me despedir

Vídeo incorreto?