Minha infância foi marcada por ausência de alegria,
Meu pai muito trabalhava porém nada possuía -
A pobreza nos rondava, com trapos eu me vestia,
Vira e mexe eu apanhava pelas artes que eu fazia!
Com os pezinhos descalços
Enfrentava os percalços
Que a vida oferecia!

Eu voltava da escola pertinho do meio dia
A panela de feijão no fogo ainda fervia
Mamãe servia o almoço bem ligeiro eu comia
Preparava isca e vara, rumava pra pescaria
Peixe, farinha e verdura
Quase sempre foi mistura
Que a família consumia!

No varjão muitos preás com bodoque eu abatia
Na mira da cartucheira a caça sempre morria -
Às vezes jogava bola, do campo logo saia
Tinha um gênio enfezado, com todos eu discutia;
Eu era de pouca prosa
Uma lama revoltosa,
Apanhava e batia!

Em noite de São João da minha casa eu fugia
Me escondia no moitão e uma fogueira acendia -
Ficava mirando estrelas que lá no céu reluzia
Apanhava algum balão que acaso ali caía;
Eu só voltava pra casa
Depois que a última brasa
Naquela cinza sumia!

Quando chegava o natal meu peito se contraía
É que mestre Nicolau de mim sempre esquecia -
Brinquedos eu não ganhava comprar papai não podia,
Só mamãe me consolava, ma tirava da agonia;
Na retina da razão
Ficou gravada a lição
Que Jesus também sofria!

Vídeo incorreto?