Azevinho


Todos nós cometemos enganos
Todos nós chegamos a repentinas paradas
Mesmo uma pequena pedra poderia nos fazer tropeçar

Acreditamos nas palavras de outras pessoas,
nas mãos de outras pessoas
Ainda assim, no final, estamos sozinhos

Eu reconheço minha fraqueza
Eu não posso mais suportar minha fragilidade
Eu pretendia ignorar isso e continuei vivendo

Não há nada que eu possa fazer sobre isso
Eu não tenho um lar permanente,
Estamos sempre em novas jornadas

Voltando meus passos pra trás
a longa ponte, com coragem
Deixando escapar das minhas mãos,
É algo importante.

Toda essa neve dançante
Provavelmente irá se acumular
Espero ter forças
Para resistir esse inverno

No cantinho do seu coração
Há um espinho deixado para trás
Logo a primavera virá,
E até lá eu quero que toda a neve tenha se derretido.

Todos nós cometemos enganos
Todos nós chegamos a repentinas paradas
Como podemos aceitar tudo sem ter forças?

Colecionando pedaços quebrados de gelo...
Que nós temos ainda agora numa lacuna de nossos corações
Nunca pare de tentar preencher essa lacuna.

Nossas promessas não puderam continuar
No silêncio desta impetuosa cidade
Seu toque desaparece, assim como a neve

Eu perdi a visão disso,
Eu perdi a visão de você,
Sem mesmo saber.

O inverno clamou
Pelo azevinho,
Ele está simplesmente
Observando-nos.

Ferido
nessa longa e solitária noite
É a dolorosa realidade
Vamos deixar no passado

Eu quero proteger você;
Quando esse inverno passar
Fruta vermelha virá
Para onde esperamos.

Toda essa neve dançante
Provavelmente irá se acumular
Espero ter forças
Para resistir esse inverno

No cantinho do seu coração
Há um espinho deixado para trás
Logo a primavera virá,
E até lá eu quero que toda a neve tenha se derretido

Azevinho

Todos nós cometemos enganos
Todos nós chegamos a repentinas paradas
Mesmo uma pequena pedra poderia nos fazer tropeçar

Acreditamos nas palavras de outras pessoas,
Nas mãos de outras pessoas
Ainda assim, no final, estamos sozinhos

Eu reconheço minha fraqueza
Eu não posso mais suportar minha fragilidade
Eu pretendia ignorar isso e continuei vivendo

Eu perdi a visão disso,
Eu perdi a visão de você,
Sem mesmo saber.

O inverno clamou
Pelo azevinho,
Ele está simplesmente
Observando-nos.

Ferido
Nessa longa e solitária noite
É a dolorosa realidade
Vamos deixar no passado

Eu quero proteger você;
Quando esse inverno passar
Fruta vermelha virá
Para onde esperamos.

Toda essa neve dançante
Provavelmente irá se acumular
Espero ter forças
Para resistir esse inverno

No cantinho do seu coração
Há um espinho deixado para trás
Logo a primavera virá,
E até lá eu quero que toda a neve tenha se derretido