Cordas, por todos os lados
Cercando a imagem
Que os homens protegem em suas mãos

Filhos, trazendo promessas
Buscando verdades
Em qualquer ato, em qualquer gesto
Em qualquer lugar

Medo, ao final dos conceitos
Faça o melhor proveito
Entregue o futuro e ganhe o céu

Na estaca, cravada no peito
O final de um direito
Espelhos do mal, sem salvação


Eu faço guerra, eu ergo a espada, eu quebro o laço e
estendo a mão
Tão sem piedade ou sentimento os homens pedem
compreensão
A humanidade é preparada é programada a não pensar
Mas logo alí no fim do túneo, o mesmo orgulho e a
mesma fé
Então procure o seu caminho, o seu destino, e os seus
"porquês"

Que eu sou você
Ou quase igual
Não ter vergonha assim
Chega a ser natural
Eu sou teu filho
Sou teu irmão
Quando você quiser parar serei a compreensão


Luzes, nos cantos escuros
Futuro inseguro
De salva entidade explicação
Mas não tente, encontrar a verdade
Ninguém vê, ninguém saber
Distinguir o real da ilusão

Vídeo incorreto?