Medo da vida, desconhecido
Nina Simone no meu ouvido
Corro de atrevida, não esmorecida
Eu sou como o rolamento mortal do crocodilo

Bravura pura em mais de 70kg
Independente da cor do meu vestido
Esconderijo, creia. eu improviso, veja
Eu mesma faço a minha santa ceia.
Corre sangue bom na minha veia

Pacificamente violenta
Como aranha caranguejeira na teia
Eu canto pra que eu nunca esqueça
Pra que eu nunca esqueça
Pra que eu nunca esqueça

Burca, Marjane enxerga além desse viés
Lua, guarda o segredo das marés
Nua da cabeça aos pés
Luta, um desafio pra fieis

Patriotismo, civismo, nacionalismo
Xenofobismo, machismo, racismo
Um abismo chama outro abismo
Chama outro abismo
Chama outro abismo

E eu tô solta na vida
Eu tô solta na vida
Eu tô, eu tô, eu tô, eu tô

Felicidades, planos pra virada do ano
Todo dia é novo e eu vi que a vida na terra tá se acabando
Nunca fui disso, mas acradito
De vez em quando eu medito

Se existe destino não sei, axé não negocio
Nem sempre a morte chega com aviso
E eu tô ligada já conheci palma e vaia
E no cerrado asfalto é a minha praia

Saúdo a planta e os animais
Sabedoria samurai
E eu sei que gentileza nunca é demais

Há o que me deixa ainda emocionada
O vento, a saia. O vento subindo a saia rodada
A chuva que não para
E a blusinha dela tomara que caia

As arvores que contavam história arrancadas
A casa da gente invadida pela enxurrada
Sim eu já vi, se liga aqui.
Eu sobrevivi sem pena.

Só a caneta pra registrar
O que eu não esqueci.
E eu não esqueci que

E eu tô solta na vida
Eu tô solta na vida
Eu tô, eu tô, eu tô, eu tô

Tô solta na vida
Solta na vida
Tô solta na vida
Solta na vida

Eu tô, eu tô, eu tô.

Vídeo incorreto?