Nada quero ser
Nada sinto ao ver, a indiferença
Já faz parte de mim
Não sei porquê...

Seguem vivos olhos
Atentos à cobiça que dás
Quando passo à tua frente
Já não sei porque não,

Refrão:
Espero na hora, ouvir-te
Afirmo o que sei, quando minto
Sei ler-te bem
Não sei que diabo sei
Certo venho ver
O resto do teu amor.

Entendo vagamente
Aquela inocência que jaz
Como o teu barco no fundo
Esse coração tão pobre...

As coisas vão voltar a ser
Não fui eu que quis saber
O pouco amor que tens a dar
Lembra ao meu corpo de não amar

Ainda assim eu não sou bem
O homem vivo do teu Mundo

Do teu Mundo, no teu Mundo...

Vídeo incorreto?