Quando gonzaga chegava no exu
Naquela cadeira abraçava os amigos
Olhando o açude contava estórias
Do espelho das águas do itamaragy

No espelho das águas do itamaragy
O sol se deita em cada entardecer
E a lua derrama sua luz de prata
E o verde da mata em volta vem beber

Mulheres, latas, roupas e homens
Meninos, moleques e animais
A vida da minha cidade está toda ali
No espelho das águas do itamaragy

Meu zamô deixa não, essa estória se quebra
Meu zamô deixa não, esse espelho se quebrar
Deixa não, cuida aí,
Do espelho das águas do itamaragy