Nesta avenida iluminada
Vem o artista louvar
O esplendor da velha praça
Relíquia da cultura popular
Destacando nosso imperador
A liberdade, a monarquia
Saudando o namorador
Sua corte e a boemia

Quem diria, quem diria
Que o passado ao presente viria

Na Praça...
Na Praça Tiradentes
Quando a noite chegava
Havia uma explosão de cores
Ao som da gafieira, boêmios pelas calçadas
Iam conquistando seus amores

E os artistas nos teatros engalanados
Desempenhavam seus papéis
Jornais e as revistas publicavam as notícias
Que tiravam os chapéus

Tornei-me um ébrio na bebida para esquecer
Pois não sabia que o passado eu ia reviver
E até hoje continua animado
O baile dos enxutos que não pára de crescer

Vira mexe, mexe vira
Vestido de homem e de mulher
Vem o bonde vinte e quatro
Todos sabem que ele é

Vídeo incorreto?