Sou Estácio, chuê, chuá
Vou dar um banho de alegria
Sapucaí vai balançar
Ó mãe natureza, abençoada pelo criador
Até o malfeitor se encantou com tanta beleza
Cadê meu pau-brasil?
Ciclo da cana e ouro, ninguém viu
O comércio alavancou
As riquezas do país

Os índios guerreiros, os donos da terra
Foram escravizados
Perderam a crença, perderam a guerra
Perderam o seu Eldorado

O progresso aqui chegou
Com a corte e a realeza
A Leopoldina inaugurou
Sigam "Caminho do Imperador"
Quem cultivou café
A fauna e a flora de belezas naturais
Agora... alguém me viu
Sou jóia rara
Da coroa do Brasil

Samba, suor e cerveja
Um batuque na mesa,
"Schindô"
Onde o céu é mais azul
Em Cachoeiras de Macacu