Lu:na (tradução)


Pergunto-me quem alcança a profundeza de meus olhos cerrados
A lua que admirei em uma trêmula onda de calor, ri zombeteira

Apenas o apelo do réquiem sussurrado em meu ouvido
Impediu-me de ferir outro

Minha dor é levada embora nestas trevas
Tudo porque eu não posso retornar...

Abracei a rosa repleta de espinhos com meu peito
e eu afundei em um mar carmesim
Eu continuarei a bailar sobre pilhas
de corpos até que eu venha a falecer...

Minha dor é carrega pelas trevas
Tudo porque eu não consigo retornar...

Vida estressada da penosa vítima
Minha consciência levada de mim
Eu me afogo e desapareço em prazeres
Frio, nestes braços

Abracei a rosa repleta de espinhos com meu peito
E eu afundei em um mar carmesim
Eu continuarei a bailar sobre pilhas
de cadáveres até que eu venha a falecer...