O sonho mais belo que tive em criança
Foi ser algum dia um compositor
Louvar em meus versos o verde da mata
O canto da ponte, o orvalho na flor
Com 14 anos deixei minha terra
E quase que a mágoa me mata de dor
Morei em palácio, em rancho de palha
Comi em banquete, vivi de migalha
Mas o itinerário de Deus nunca falha
Na grande batalha eu fui vencedor

Fiz grandes amigos em minha jornada
Sem ter preconceito de raça ou de cor
Fui incentivado em várias escalas
De mão de lixeiro a governador
Sou grato por tudo mas não vaidoso
As coisas da mente só tem um autor
Tal qual a aragem que ondula a campina
A onda serena que acalma e ensina
Embora imperfeito a mim ilumina
A Graça Divina do Meu Criador

Às vezes perguntam aos meus companheiros
Do grau de cultura que sou portador
Não faço campanha em meu benefício
Pra mim a modéstia tem muito valor
Sou filho dileto da simplicidade
Adoro a vida do interior
Viajo na escala do meu carrossel
De trem ou de bonde, embala o corcel
E a minha cidade sou sempre fiel
Por Coromandel eu morro de amor

Na força sublime dos meus protetores
Conquisto amizades por onde eu for
Caminho tranquilo não temo a inveja
Quem não é maldoso não guarda rancor
Cultura não muda a alma da gente
Das coisas mais simples serei defensor
Os reis da intriga e as imperatrizes
Que se equilibrem nos próprios deslises
Se livrem das peles de falsos juízes
E sejam felizes na Paz do Senhor

Vídeo incorreto?