Abre a cordeona gaiteiro, deixa de manha
Me dá um trago da tua canha, porque esta é de barril

Toca uma marca daquelas bem caborteira
Com sotaque da fronteira, lá do garrão do Brasil

Toca gaiteiro que tu é dos bons, percebo
Enquanto tu toca eu bebo, comigo não tem mistério

Quero dançar, mas me encabula e me apavora
E enquanto não chega a hora, mais um trago pro gaudério

(Bebo a vontade, gasto os pilas e me desfalco
E passo a noite solito, dançando em frente do palco

O povo todo ri, me chamam de lacaio
Só vêem os tragos que eu bebo não vêem os tombos que eu caio)

Termina o baile vem o dia, eu tô borracho
Nem o meu caminho eu acho, reconheço que eu tô feio

Saio pra fora e até com os parceiro resingo
Nem mesmo meu próprio pingo, deixa eu chegar nos arreios

Sigo agarrando na parede, palmo e passo
Tropicando num balaço, vou mais ou menos assim

Cabeça zonza e as pemas frouxas, me atrasa
Termina o canto da casa e acaba o mundo pra mim

Chego na estância, manhã de segunda-feira
O capataz lá na mangueira e manda encilhar o xaveco

É um burro zaino e prá montar nele me custa
Dá um coice faz que se assusta e sai vendendo meus tareco

A lida é braba, mas eu gosto desta vida
Não pode é faltar bebida, pra quem bebe a revelia

Gaiteiro bom toca de ouvido a noite inteira
E pra farrancho e borracheira, nunca faltou parceria

Vídeo incorreto?