Ciclo de vida e morte


Sussurrando em meu ouvido, um bode preto se aproximou:
"não fique a esquerda da linha branca!
Certifique-se que você é capaz de pegar o trem cinza!"

Depois, ao meu lado, um gato me questionou:
"onde na Terra você pensa que está indo, menina?
Mesmo nesse lugar você pode morrer"

Fechando meu pulso vermelho, encontrando pouco apoio,
Estou sozinha, vagando, uma erva daninha que teve suas raízes roubadas
Eu bebo água sem gosto para saciar minha sede
Venha, final próximo

Eu imploro pelo seu amor, mais uma vez, de qualquer forma
Esse não é um trem que volta
Me diga, querido, querido, querido
Eu podia jurar que ouvi você dizer... nada, para meu espanto

Murcha e sem cor, uma flor sussurrou:
"não há sentimento, não há sentimento
Exceto a tristeza em seu coração essa noite"

Quando as cigarras choram, elas vão embora
A divisão das linhas, a vermelha e a na direção inferior
Um beco sem saída, sem entrada, e eu apenas me chutei para longe
As sombras selvagens vêm lentamente, derramando-se

"eu não posso ver" eu choro, eu choro
Eu estou apenas procurando pelos meus pensamentos
Me diga, querido, querido, querido
Onde é que a vida de um telefone sem toque vai?

A fervura, a linha da cintura fervendo
Não há nada aqui, não há uma última parada
Soando à esquerda, à esquerda, à direita
O som de uma travessia ferroviária "kan-kara-rindo"

Os corvos falam, os corvos falam:
"você nunca poderá voltar para aqueles dias"
"você já se tornou um adulto"

Por favor, por favor me ame de novo
Pegue essa linha de vida sem fim
E corte-a em pedaços

Adeus, querido, querido, querido
Naquele dia, eu me tornei uma adulta

Eu sempre acho que juntos, sozinhos
Nunca ser capaz de tomar de volta as palavras que eu perdi
Adeus, querido, querido, querido
E voltas e voltas na linha da cintura, eu vou
"tenha piedade, e vá à pé, menina"