O mar quando canta é mulher
Quando pede é por que quer
O que é dela por direito.

Sabá, Janaína, ogunté
Fez das lágrimas sua casa
Pra remar contra a maré

Mas vejo tanta gente a te saudar no fim de ano,
Com flores e perfumes pra pedir tua proteção
E esquecem que é mãe no ano inteiro,
Principalmente no dia dois de fevereiro.


Dona da tranquilidade, sem hora pra se contemplar.
Lamentos nas águas profundas, rainha de aiocá
Já decidiu criar a correnteza e puxar quem da tristeza já sentiu demais.

E no balanço das ondas, que sinto a saudade apertar
Lembro das palmas cantadas, chamando pra ela dançar o candomblé
Alodê mi odoyá, salve minha mãe Iemanjá.

Quero dormir em colo de sereia,
Quero roupa enfeitada de areia,
Tenho água salgada na veia,
Fiz minha casa colada na beira mar.

Vídeo incorreto?