Quando chego num baile de rancho
Que a cordeona começa a se abrir
Vou mirando pra porta do quarto
Aonde as muchachas costumam sair

Vejo fitas e tranças compridas
Perfumadas de manjericão
Brilhantina e cheiro de extrato
Que o velho mascate vendeu no rincão

O gaiteiro levanta a cordeona
Que se espicha se encolhe e se dobra
No carteio do baile de rancho
A mais feia da sala é que sempre me sobra

Tiro a poeira da sola da bota
No compasso desse vaneirão
E na voz de fumo e se vamos
Parece que entramos pra dentro do chão

Vídeo incorreto?