Xote

Quem não souber do pago santo de onde eu venho
Tenho prazer de lhes dizer da onde é que sou

Sou do garrão deste Brasil, sou missioneiro
Capim rasteiro que do nada se criou.

Trago na alma a cantiga do meu pago
Rondas de tropa, pastoreio e pó de estrada

Cantar de esporas num trotezito chasqueiro
Que um missioneiro não se esquece nem por nada.

Trago o calor de pai de fogo galponeiro
Brazedo rubro, por do sol que vai de por

Foi essa termpla que me fez enraizado
Olhar voltado pro pavilhão tricolor.

Trago a querência na garupa do meu pingo
Cantar dos ventos nas cordas do violão

Uma tropilha de esperança extraviada
Entropilhadas vem pastar no coração.

Se por acaso estropiar o meu cavalo
Que eu não consiga prosseguir minha jornada

Há de ficar minha cantiga missioneira
Junto da poeira que se erguer n'alguma estrada.

Vídeo incorreto?