Tô na rua seminua;
Toda cheia de problemas;
Prato feito, preconceito;
Sinto a dor nua e crua;
Rogou praga! Satisfeito?
Trago vida nas entranhas;
Tenho manha, coisa estranha!
Ninguém sabe meus desejos;
Falta tempo pra sonhar;

Tô na rua, tô calada;
Te transei numa balada;
Foi pileque de moleque;
Eu trepei sem camisinha;
Olha o cara, encontrei!
É o mesmo que eu fiquei;
Tava louco, falou pouco;
Mais sorriu quando eu contei;
Tenho tempo pra pensar;

Não estou sozinha;
A barriga cresce;
Somos dois agora.