Cartas (tradução)


A lua se foi
Trás passar a noite en claro perguntando-me como cheguei a ser
Tão só uma voz,
que se perde ao outro lado de um telefone que não funciona bem

Talvez seja tarde para compreender
Que onde eu vou não levo seu trem
Talvez seja eu quem se cale esta vez
Tenho que desligar, te ligo depois

E volto a escrever com a luz apagada.
Estou sem estar e perco a calma
Fugindo do dano que fazem as palavras
Não olho suas fotos, nem leio suas cartas.

Outro dia mais
Que vai no calendário
enquanto grita que não vai voltar jamais
Volta a deixar com a dúvida nos bolsos
E o silêncio próprio da solidão

Talvez seja tarde pra compreender
Que sou como sou e o mundo é como é
Talvez seja você quem se vá esta vez
Tenho que desligar, te ligo depois

E volto a escrever com a luz apagada.
Estou sem estar e perco a calma
Fugindo do dano que fazem as palavras
Não olho suas fotos, nem leio suas cartas.

E volto a escrever com a luz apagada.
Estou sem estar e perco a calma
Fugindo do dano que fazem as palavras
Não olho suas fotos, nem leio suas cartas.

E volto a escrever com a luz apagada.
Estou sem estar e perco a calma
Fugindo do dano que fazem as palavras
Não olho suas fotos, nem leio suas cartas.

E volto a escrever com a luz apagada.
Estou sem estar e perco a calma
Fugindo do dano que fazem as palavras
Não olho suas fotos, nem leio suas cartas.