Sem saída


Eu, sem tanto que dizer, nem tanto que calar, começando a acreditar nas minhas mentiras.
Você, buscando seu lugar entre sonhos e Prozac, escondendo-se entre falsas carícias.
Não me fale de voar, prefiro caminhar e assim sair dessa com vida,
Não tente me enganar com promessas que vão pra gaveta das contas vencidas.

Pode ser que até o final, só seja uma mais das nossas relações suicidas,
Não chegamos a nos corrigir e voltamos a topar com o mesmo beco sem saída.

Você, querendo compreender como e por que os beijos viraram cinzas.
Eu me perco, como ontem, entre folhas de papel, tentando desenhar seu sorriso.
Não me fale de mudar, pra isso é muito tarde, de nada nos serviu a pressa,
Não me fale de lutar, não quero começar outra lista de batalhas perdidas.

Pode ser que até o final, só seja uma mais das nossas relações suicidas,
Não chegamos a nos corrigir e voltamos a topar com o mesmo beco sem saída.

Já não tem motivos pra dar outra oportunidade
E voltar a começar, já que é outra das nossas relações suicidas.

Pode ser que até o final, só seja uma mais das nossas relações suicidas,
Não chegamos a nos corrigir e voltamos a topar com o mesmo beco sem saída.
Pode ser que até o final, só seja uma mais das nossas relações suicidas,
Não chegamos a nos corrigir e voltamos a topar com o mesmo beco sem saída.