Trago um saludo de pala
Empurrado pelo vento
Moldeando a anca do pingo
Entre dois pelego preto

Deixo o trançado da rédea
Na trama bruta da cerca
Que o bolicho ta de farra
E o vecindario se achega

Sobe uma tava culera
Um buenas p'a uma chegada
Frasco de canha e de vinho
Alumbram qualquer mirada
Hay um bolicho plantado
No coração de Três Puentes
Varanda ao pago oriental
Mirando ao sul, minha gente

Descanso um aperitivo
No balcão véio lustrado
Mais alumbrado que nunca
Do bolicho do povoado
Ouço o pontear da guitarra
Do negro, do negro Juancho alambrado
Que estende metros de cerca
É o payador contratado

Cheiro de assado nas brasas
Enche a barriga do vento
Noticiando que se apronta
A carne gorda sobre as trempe

Cordeona marca o rasguido
No compassar da guitarra
O vecindario se achega
Que o bolicho ta de farra

Vídeo incorreto?