Pela cordeona do tempo que abre o fole e não fala
Muita moça de campanha bailou seus sonhos na sala
Muito romance fronteiro, desses que a noite ainda embala
Teve um floreio primeiro nos alvoroços de um pala

Quanta saudade perdida nos toques desta cordeona
Ensinou para o pago essa vaneira chorona
E muito foia a razão de uma noite redomona
De se entregar o coração pra os olhos d'alguma dona
Pela cordeona do tempo, nos ranchos beira de estrada
Alumbrados de candeeiro, clareando a copa e mais nada
Quanta promessa foi feita no escuro de uma ramada
Pra muita moça direita perder-se na magrugada

Quanto trago, por desgosto, já se golpeou no balcão
Ouvindo sem por sentido essa gaita de botão
Dos que procuram no trago uma verdade ou razão
Pra desfazer um estrago guardado no coração

Pela cordeona d tempo que abre o fole pra vida
Quanta alegria fez casa, quanto rincão deu guarida
Quanto gaúcho campeiro, campeando alguma investida
Abriu o peito troveiro, contando os causos da lida
Quanto adeus que ficou, quanto adeus que virá
Nas vozes de uma cordeona há muito que se cantar
Porque há quem tome um gole mirando a luz de um olhar
Bem antes que feche o fole e depois que o baile acabar.

Vídeo incorreto?