Subi a serra carregando o mar
Marear minha embarcação
Verde mar vegetal que aparece
Nas corcundas da imaginação
Sai coruja pra além dos meus olhos
Vai coruja palácio cristal
Olha os traços que me atravessam
Olha os góticos da catedral

Dom Pedro cadê Isabel
Tá contando as estrelas na boca do céu

Na montanha a pureza do ar
Dança leve na respiração
Sensação de fogueira a brilhar
Entre o ventre da imensidão
O calor se descola da chama
Chama vento pra ir passear
Eu também to no vento chamando
Minha chama, minha serra, meu mar

Dom Pedro cadê Isabel
Tá contando as estrelas na boca do céu

Tá na boca do céu, tá na boca
Tá na boca do céu, tá na boca
Tá na boca do céu, tá na boca

Lá na serra eu plantei minha horta
Das hortênsias nasceu a cidade
Quiçá quando abrires a porta
Tu verás minhas intimidades
Meus paralelepípedos
Charretes, charretes
Paralelepípedo
Charrete, charrete

Vídeo incorreto?