Trago a sina da estrada
A poeira na fala
A campina é a sala
A várzea é o oitão
E o sempre verde juazeiro
À sombra do terreiro
Amansava o chão

Lembro das saudades boas
Nos versos nas loas
Que meu pai cantava
No arrastar das roucas melodias
Toadas poesias
Para quem chegava

Vem meu "passarim" canção
Desmancha a escuridão
Faz rebentar o dia
Vem, troveja o meu sertão
Na rama do feijão
Na cor da melancia

Deita os "oi" no boqueirão
Pra ver a mansidão
Do gado que pastava
Menina mansa
Estende-se na lembrança
Era a esperança
Que o mundo esperava

Vídeo incorreto?