Bela adormecida


Quando tempo ela ficou esperando lá,
Sob seu frio e empoeirado véu?
Seu coração, ainda batendo vermelho e macio e quente,
Sua pele, esquecida entre os tecidos.

Contos de sangue e lágrimas, se espelham frios em sua face,
Suas veias tão azuis, seu coração tão vermelho e selvagem
E livre.

Como ele poderia saber que viria tão cedo,
Para olhar através de seu véu fantasmagórico?
E como ele poderia saber que viria de tão longe,
Para adentrar neste frio cômodo de pedra?

Contos de sangue e lágrimas, se espelham frios em sua face,
Suas veias tão azuis, ela ouviu de forma tão clara e selvagem
E livre.