Refrão)
Entre eu e Deus tá a minha consciência
Entre eu e os meus vive a minha confiança
Entre eu e tu nasce a forte resistência
Sólida oportunidade de mudança (x2)

Dei muitas quedas nesta vida, mas levantei-me de seguida
E redigi toda a subida numa batida fodida
Enganaram-se aqueles que pensavam que eu estava de partida
Mortinhos à espera de poder barricar a saída
Sei que a fé que me move, não vos comove em definitivo
Mas se esperas que me dobre, nunca enquanto vivo
Sigo, o meu caminho num percurso rectilíneo
Sem colaborar no extermínio do raciocínio
Muitos grupos, discursos e opiniões
No fundo todos à procura de melhores soluções
Tamos fartos de sermões e apartes de merda
O civismo da sociedade regressou à idade da pedra
Por trás da cortina, neste mundo da rima
Há muito quem opina mas pouco quem nos ensina
A rotina de crescer nas esquina ao sabor da adrenalina
Abre os olhos pra vida de quem já passou nesta oficina
Umas vezes por baixo, outras vezes por cima
Sem nunca desanimar na disparidade do clima
Este é o mundo que ainda não conheces
Sem filmes, sem stresses,
Aquele que difamas mas pessoalmente nunca estiveste
Que esse sócio, queres espaço não é suficiente
Se não curtes tudo bem, trabalha vai em frente
Cada um é como é não como o outro deseja
Mas se queres ser um burro com palas então que assim seja!

(Refrão)
Entre eu e Deus tá a minha consciência
Entre eu e os meus vive a minha confiança
Entre eu e tu nasce a forte resistência
Sólida oportunidade de mudança (x2)

Mc's fazem doutros Mc's tema de conversa
O que me têm a dizer, sinceramente não me interessa
De olhos postos na cultura, cimentando a estrutura
Desde o berço à sepultura, sentimento que perdura
Nada atenua, esta arte de rua
Manos vão-se multiplicando pois a luta continua
Punhos fechados, dentes cerrados, (?) preparados
Não penses que vais encontrar um bando de coitados
Porque falhados são aqueles que se sentem afectados
Por meia dúzia de versos mal interpretados
Eles estavam esquecidos têm medo de ser lembrados
Da essência criada pelos antepassados
Hoje o hip hop tá na moda como dois bafos de droga
Como uma queca com uma beta à saída da discoteca
O Cenário é duvidoso como o carisma da mensagem
(?) médiatico, turistas de passagem,
Investem em maquilhagem pra disfarçar a má imagem
Mas não enganam mais ninguém com essa curta metragem
Rimas vazias apedrejadas com coreografias
Não estimulam mentes só atraem mais tias
Estudo a ciência da paciência onde com calma e inteligência
Se tentam prevenir os desvios da adolescência
Nada mais que experiência colocada no papel
No movimento educativo ao qual me mantenho fiel

(Refrão)
Entre eu e Deus tá a minha consciência
Entre eu e os meus vive a minha confiança
Entre eu e tu nasce a forte resistência
Sólida oportunidade de mudança (x2)

Vídeo incorreto?