Alumina


Uma faísca momentânea cintila Com o tempo que flui
Acredito que posso continuar caminhando Assim a gravar nas memórias desse mundo

Eu tive um sonho que ninguém mais teve
E joguei fora tudo que não precisava
Pensamentos que não posso ceder Pulsam em meu peito

Mesmo que eu esteja no vale entre real e ideal
E meus pés estejam presos por correntes de sacrifícios
Meus impulsos transbordantes ainda não estão totalmente reprimidos
Porque eu tenho um coração que pulsa fervorosamente

"Falsidade" "Medo" "Armadilhas" "Tristeza"
Eu não quero ser tão fraco
Para ser preso por tantas coisas negativas
Sou um trapaceiro que não conhece a solidão

Os muitos edifícios que perfuram o céu noturno
Eu olho para o céu onde as estrelas parecem ser invisíveis
E me pergunto "Não estaria eu perdido?"

Os muitos edifícios que perfuram o céu noturno
Coisas como ser manchado por aqueles que transbordam pela cidade ou se apaixonar não acontecerão comigo
Porque no fim da estrada que liga ao amanhã
Eu quero ver algo que irá se agarrar à minha mão

Eu fecho meus olhos e vem à tona do meu mar de consciência
O momento em que eu irei alcançar, o ideal que eu imaginei

Só para ser aceito por esse mundo e apodrecer
Por quanto você viver é o mesmo que ser estúpido
Vá para o que ninguém mais pode ter
O cristal conhecido como meu próprio eu

Penetre o que está escondido
Se tornará real um dia
Eu teimo em continuar acreditando nisso
Isso é apenas à minha fé. A verdade Absoluta.

Uma faísca momentânea cintila Com o tempo que flui
Acredito que posso continuar caminhando Assim a gravar nas memórias desse mundo