Nunca mais quero ver você


À noite, quando ele deita-se com você
E move-se sobre ti
Você desejaria estar longe de si mesma
(Acreditei em você por muito tempo)

À noite, quando ele aninha-se em você
E quando seu coração se contorce
Você não diz uma palavra
(Você privou-me o bastante)

Você foi nada,
Você é nada;
E você
Nunca será algo

Deixe-me ir,
Sue porco covarde
Nunca mais quero ver você
(Nunca mais quero ver você)

Deixe-me ir,
Sua porca insignificante
Nunca mais quero ver você
(Nunca mais quero ver você)

À noite, quando ele consome seu ego
E esvazia-se sobre você
Você passa a não sentir mais
(Eu já me defendi por muito tempo)

À noite, quando você se machuca
E cobre-se com seu sangue
Você se sente vazia
(Você me destrui o suficiente)

Você foi nada,
Você é nada;
E você
Nunca será algo

Deixe-me ir,
Sua porca insignificante
Eu não quero ver você nunca mais
(Eu não quero ver você nunca mais)

Deixe-me ir,
Seu porco covarde
Nunca mais quero ver você
(Nunca mais quero ver você)

Então, ele abre a porta
Que dá para o seu quarto
E o temor pelo o que está por vir
Sempre torna-se pior

E sua alma desce
Em direção ao porão
E o coração
Em seu peito bate mais rápido

Logo, ele fala friamente dentro sua consciência:
"Não diga a mamãe que isso ocorreu, de nada ela saberá"
"Se você precisar gritar, grite com o travesseiro sobre sua face; maldição!"
Venha me beije

Deixe-me ir,
Seu porco covarde
Nunca mais quero ver você
(Nunca mais quero ver você)

Deixe-me ir,
Seu porco covarde
Nunca mais quero ver você
(Nunca mais quero ver você)

Deixe-me ir,
Seu porco covarde
Nunca mais quero ver você
(Nunca mais quero ver você)

Deixe-me ir,
Seu porco covarde
Nunca mais quero ver você
(Nunca mais quero ver você)

Nunca mais quero ver você
Nunca mais quero ver você