[A cena nativa
Faz parte da vida
De um povo com brilho
Raça que não morre
Porque o sangue corre
Nas veias do filho]

Na velha calçada
De folhas tombadas
Ao sopro do outono
Um homem do pampa
Reponta na estampa
Conchadas de sono
O baile foi bueno
Alegre e sereno
Rodeado de amigos
Cruzando a neblina
O cheiro da china
Carrega consigo

Encilha o cavalo
E o timbre do galo
Clareia o caminho
Buscando sossego
Revoam morcegos
Pro antigo moinho
Nesta geografia
De paz, de poesia,
Lá vai o charrua
Na guarda do pingo
Um cusco latindo
Pra um resto de lua

(A cena nativa
Faz parte da vida
De um povo com brilho
Raça que não morre
Porque o sangue corre
Nas veias dos filhos
Rio Grande de outrora,
Rio Grande de agora,
Rio Grande de sempre
Na sina campeira,
Na cor da bandeira,
É o Rio Grande da gente)

Batendo na marca
Vai junto ao monarca
A história distante
Reduções missioneiras,
Farrapos, fronteiras,
Heróis imigrantes
Murmuram nas esporas
E os cantos de aurora
Acordam o paisano
E vê que a querência
Não muda a essência
No passar dos anos

Churrasco, rodeios
Mateadas, floreios
De gaita e violão
Trabalho irmanado
Na luz do povoado
E na paz do galpão
Rio Grande é beleza
Eu tenho certeza
Você me entendeu
E quem é da terra
Morre pela terra
Que tanto lhe deu

(A cena nativa
Faz parte da vida
De um povo com brilho
Raça que não morre
Porque o sangue corre
Nas veias dos filhos
Rio Grande de outrora,
Rio Grande de agora,
Rio Grande de sempre
Na sina campeira,
Na cor da bandeira,
É o Rio Grande da gente)

Vídeo incorreto?