Estrada fora estrada dentro, de Bayonne a Milao,
coracao ao relento, mundos e fundos na mao.
Corpo negro macadame, de Milao a Budapeste,
voar, "chercher la femme", norte, sul, oeste, leste.
Polaroid, por do sol, vénus na concha da Shell,
Sexo, sonho e rock'n'roll, noite branca no motel.

Anjo perdido na bruma, leva-me ao sétimo céu,
abre o teu manto de espuma, deixa cair o teu véu,
deixa cair o teu véu, deixa cair o teu véu,
deixa cair o teu véu...

Chuva, bréu e gasolina, bar aberto, companhia,
cheiro a erva na latrina, cha, café e fantasia.
Ultrapasso um camiao, passo fronteira e portagem.
O écran do alcatrao devorou a tua imagem.
Estou tao longe, estou tao perto, sei que nunca
hei-de chegar
onde vou nao sei ao certo, ja nao posso mais parar.

Refrao

Contigo leio o futuro nas gotas do para brisas,
coracao inseguro, maos vazias, indecisas.
Néon palido, luar, Via Lactea, solidao,
tenho ganas de beijar o espelho da escuridao.
A grande roda da sorte é uma curva sem fim,
do outro lado da morte ha uma estrada só p'ra mim.

Refrao (2x).

Vídeo incorreto?