Vozes dentro de mim


Querido amigo imaginário
Hoje eles conseguiram novamente
Os colegas de classe me agrediram
Eu não entendo não lhe faço nada, porra!
Só dizem que sou um branco e um raro
Eu amo a musica, mangá e computador
Eu não gosto muito de jogar bola
Eu tento não ficar sozinho no recreio
E todo o tempo eu fui forçado a ser goleiro
E como se sentes se marca um gol
E seus amigos te abraçam como um vencedor
Por não querer jogar, mais é outro o motivo, batendo!
Para deixar a metade de um jogo
Eu perdi o desejo de integrar
Agora só quero ver eles o mínimo possível
Estou atrasado para a aula, meus professores estão fartos
Dizem que eu mudei, o que sabem? Meus pais foram chamados
Sempre participava quando os professores lhe diziam
“Que eu não posso passar sem estudar nada”
Mas já não levanto a mão, estou com medo
Tenho medo dos danos que fazem em mim na parte de trás e do meu lado
E há muito tempo eu não venho a ninguém, eu não sou um suicida
E da ultima vez me esperaram 10 para a saída
Meu pai me chama de problemático
A incapacidade e a dor me anularam
Ou fazer um coquetel trágico?

Não posso aguentar essa pressão, no faz falta q lo aguantes
Eu quero acabar com tudo, pode acabar o quanto antes
Ouvir vozes que existe dentro de mim que gritam “faça, vamos!”.

(interior)Pena que seus pais não entenderão o seu sofrimento
Sentado na carteira, o tempo passará mais lento
Eu entendo, se você quiser posso ajuda-lo
Eu juro acabar com todos, se me deixar aconselhá-te
Você sente o desejo de fazer justiça com suas mãos
Tudo começa nos corredores
Você passa com a cabeça abaixada e com as mãos no bolso
Sabes que te imaginam como uma criança querem te ver chorar
Trancam-te no porão, no sótão ou no pátio
Tudo por não ser igual a todos, o que te faz ser o único
Também te fazem está só
E os professores só piorariam as coisas
Que uma dica? É outro soco na dorsal
Tudo que faça, só será outro motivo
Mais uma vez, atacam o alvo
Ou seja, com isso, eles se saciam
Eles riem de você, mas você não fez graça nenhuma
Não é que você seja inferior, é o medo que te cega
O medo do agressor é te fazer sentir-se inferior
E é por isso que você está preso
Queres cortar suas veias? Fugir só atrasará o seus problemas
Olhe para você, foda-se, começa a dar pena
Cada dia você tem hematomas novos
Desses pequenos bandidos
Você tem que ter coragem

Não posso aguentar essa pressão, no faz falta q lo aguantes
Eu quero acabar com tudo, porque assim que é possível
Ouvir vozes que existe dentro de mim que gritam “faça, vamos!”

Siga seus ideias e não sejas um covarde
Não desista, que o seu esforço não foi em vão!
Esta vez a sorte não acompanha você
Como você vê há tempos que pode forçar as brincadeiras
Não adianta se esconder, luta, tem que ser forte, escute!
A voz que fala com você trás essa mensagem
Cada grupo tem um líder atribuído
Ser respeitado é complicado e tu tocaste nele
A solução é lidar com a situação
Não digo que será fácil, mesmo com tanta pressão
Que fariam os demais se estivesse em teu lugar?
Não aguentariam nem ferrando o que você tem que suportar
Eles perturbaram sua inocência
Você sabe o que pode acontecer quando a paciência se esgota?
Você deve fazer alguma coisa agora, é que está cansado
Para dizer a verdade, eu acredito que tem sofrido demais
Seu vingativo, junte o nome de cada um
Dê a volta, venha e me prove que você é um homem
Que corre em suas veias, o ressentimento envenenou você
Não era o que queria? O que teria pensado

Não posso aguentar essa pressão, no faz falta q lo aguantes
Eu quero acabar com tudo, porque assim que é possível
Ouvir vozes que existe dentro de mim que gritam “faça, vamos!”

Hoje eu disse milhares de vezes a mim mesmo
Não faça isso, eles são bons
Mas me empurraram ao abismo
Eu cheguei nesse ponto sem retorno
E tudo dava no mesmo
E você sente raiva de tudo ao seu redor
Naquele dia chego ao colégio
E na fila para entrar
Aqueles bastardos eram impiedosamente
Lembro-me de suas bocas articulando uma palavra:“nenasa”
E o impacto de suas mãos sobre meu corpo
Como de costume, lá ninguém faz nada
Alguns estavam rindo e outros desviaram os olhos
Engoli em seco, resignado sai do chão
Sabia que esse mesmo dia tudo teria terminado
Seja macho, não vou chorar!
Ao contrário de lagrimas que caiam, apenas o riso doentio
Você vai morrer e a ultima coisa que você vai ouvir.
Vi o professor escrevendo na lousa com o giz
Na minha mochila, uma garrafa de gasolina
Nas minhas artérias muita dor e adrenalina
estava no banheiro
esperava que todos estivessem na sala de aula
e o corredor livre
Enquanto a portaria tomava café
As chaves da salas de aulas do escritório roubei
Subi até a minha que era no 4º andar
Fechei a porta por fora silenciosamente
E de repente abri e derramei meu combustível
Surpresa! Não deu tempo pra reagir
Peguei um fósforo, os tranquei e comecei a andar
Eu me lembro dos gritos, sinfonia irresistível
Os bombeiros salvaram algumas vidas
Mas muitos não voltaram a me incomodar
Professora histérica fugindo das chamas
Saltou pela janela e não voltou a andar
Ao passar do tempo, não voltei ao colégio
Tão pouco a minha casa, mas este lugar tem vantagens
Aqui não me maltratam, mas é tudo muito frio
Eles me dão pílulas que me fazem ficar tranquilo
As vezes fico pensando em uma maneira de matar uma enfermeira
Eu tenho que me controlar, pois com o tempo eles terão que me soltar
Me arrependo! Eu Juro! a quem quero enganar?