De rosto cansado
E mão calejada
Uns tostões no bolso
Ao fim da Jornada

Sob a luz da lua
Põe-se a caminhar
Por fim na sua rua
Por onde ninguém quer passar

No meio do quase nada
O seu lugar

Que nada lhe falta
Sua cara espelho
Cada porta que abre
Um abraço a si mesmo

Portas que dão para o céu
Sentado numa velha
Cadeira de balanço
Tranquilo ao léu

E na certeza inabalável
Um homem abençoado
Agradece em oração

A sua luz acesa
Em meio a escuridão

Que ninguem quer passar
Por onde ninguém quer passar
No meio do quase nada
O seu lugar

Que nada lhe falta
Sua cara espelho
Cada porta que abre
Um abraço a si mesmo

Vídeo incorreto?