Filhos do sol, restos do sal
Somos todos advindos do mesmo mal
Todos sem paz, todos tão sós
Procurando eternamente os nosso faróis

Vidas tão sozinhas
A culpa não é minha

O choro da noite, o frio do luar
A casa da chuva, o vento a soprar
Aquele frio que bate,
Quando não tem ninguém pra abraçar

Praia sem mar, sol sem luar,
Tudo é dependente do mesmo amar
Superação, sua emoção
As palavras saem de jogo na ocasião

Vidas tão sozinhas
A culpa não é minha

O choro da noite, o frio do luar
A casa da chuva, o vento a soprar
Aquele frio que bate,
Quando não tem ninguém pra abraçar

O choro da noite, o frio do luar
A casa da chuva, o vento a soprar
Aquele frio que bate,
Quando não tem ninguém pra abraçar

O choro da noite, o frio do luar
A casa da chuva, o vento a soprar
Aquele frio que bate,
Quando não tem ninguém pra abraçar

Vídeo incorreto?