Nasci na roça e perto da minha casa
Tinha um tal de Chico Brasa
Filho de Maria Bira
Maria Bira casada com João Otávio
Conhecido homem bravo
No sertão de Cantaíra

E Chico Brasa foi crescendo e foi sentindo
Seus instintos de menino pedindo pra viajar
E quanto mais ele crescia ia vendo
Que o sertão era pequeno, ele queria aventurar

Seu pai dizia em sua ira: Desse sertão ninguém me
tira
Chico dizia em sua ira: Desse sertão ninguém me tira

Um belo dia perto daquela fazenda
Foi morar uma pequena com olhos de lua clara
Pele macia, morena, cor de canela
Uma deusa, tinha ela uma beleza tão rara

Mas o destino preparou uma surpresa
E pela mesma beleza dois sentimentos iguais
E o olhar que tinha mais do que um brilho
Transformava pai e filho em dois valentes rivais

E João dizia em sua ira: Essa mulher ninguém me tira
Chico dizia em sua ira: Essa mulher ninguém me tira

E Chico Brasa reconhecendo o perigo
Levou a moça consigo e fugiu para a capital
Obedecendo as ordens do coração
Jurou que para o sertão não voltaria nem a pau

Quando João ficou sabendo dessa fuga
Encheu o rosto de ruga e de bala o cinturão
Se esquecendo que o rival era seu filho
Pôs o dedo no gatilho e ódio no coração

Matou o filho e matou a rapariga
Quando um não quer dois não brigam, a sua filosofia
Rumou de volta pro sertão de Cantaíra
E agora ninguém lhe tira dessa sua cela fria

No coração de todo e qualquer sertanejo
Ficou dúvida e medo, desespero e revolta
Prisioneiro da sua própria consciência
Se não existe inocência não tem esse que se solta

E no sertão agora João vive sozinho
Feito um velho passarinho que já não pode voar
Porque que é preso todo homem quando erra
Consciência é feito terra que não se pode plantar

João tava certo em sua ira: Desse sertão ninguém lhe
tira
João tava certo em sua ira: Seus sentimentos são
mentira

Vídeo incorreto?