É num baile de fronteira que a gente pode aprender
Esse balanço safado de se dançar chamamé
Tem que ter manha no corpo pra sapatear tem que ter
Tranco de sapo baleado e jeitão de jaguaretê

Tudo começou em corrientes num baile veja você
Também se orelhava um truco que é um modo de se entreter
Um ás que sobrou na mesa bastou pra coisa ferver
A cachaça brasileira alguma culpa há de ter

Se foi tiro ou cimbronaço, pago pra ver
Deixa que venha no braço pra se entender
Se o facão marca o compasso deixa correr
Enquanto sobrar um pedaço vamo metê

O gaiteiro era buerana não deixou o baile morrer
Parou um valseado de seco e sapecou um chamamé
Ficou só um casal dançando gritando oiga-le-tê
Que por quatro ou cinco tiros não vamos se aborrecer

Dançar na ponta da adaga não é tomar tererê
Tem que cordear pros dois lados fazendo o poncho esconder
Daí surgiu esse tranco que foi até o amanhecer
Quanto mais corria bala melhor ficava pra ver

Se foi tiro ou cimbronaço, pago pra ver
Deixa que venha no braço pra se entender
Se o facão marca o compasso deixa correr
Enquanto sobrar um pedaço vamo metê

Vídeo incorreto?