Ah, madrugada já rompeu
Você vai me abandonar
Eu sinto que o perdão você não mereceu
Eu quis a ilusão e agora a dor sou eu

Pobre de quem não entendeu
Que a beleza de amar é se dar
E só querendo pedir nunca soube o que é perder pra encontrar
Eu sei... Que é preciso perdoar
Foi você quem me ensinou que um homem como eu
Não tem porque chorar
Não sabe o que sofrer se o pranto se acabar

O que é e o que é
Clara e salgada
Cabe em um olho
E pesa uma tonelada
Tem sabor de mar
Pode ser discreta
Inquilina da dor
Morada predileta
Na calada ela vem
Refém da vingança
Rimando o desespero rival da esperança
Pode ser causada por vermes e mundanas
De um espinho da flor cruel
Que você ama
Amante do drama
Vem pra minha cama por querer
Sem me perguntar me fez sofrer
E eu que me julguei forte
Eu que me senti
Serei o fraco
Quando outras delas vir
Se o barato é louco
E o processo é lento
No momento deixa eu caminhar
Contra o vento
Que adianta eu ser durão
E o coração ser vulnerável
O vento ele não é suave
Mas é frio e implacável
É quente borrou a letra triste do poeta
Só correu no rosto pardo do profeta
Verme sai da reta
A lágrima de um homem vai cair
E esse é o seu B. P. pra eternidade
Diz que homem não chora
Tá bom, falou não vai pra grupo não
Ai Jesus chorou

Ah, madrugada já rompeu
Você vai me abandonar
Eu sinto que o perdão você não mereceu
Eu quis a ilusão e agora a dor sou eu

Pobre de quem não entendeu
Que a beleza de amar é se dar
E só querendo pedir nunca soube o que é perder pra encontrar
Eu sei... Que é preciso perdoar
Foi você quem me ensinou que um homem como eu
Não tem porque chorar
Não sabe o que sofrer se o pranto se acabar

Vídeo incorreto?