Essa dança em desalinho
Zigue-zague, corda bamba
É a imagem desses dias
Onde nada se encontra

Essa correria solta
Na prisão do dia-a-dia
Faz-me cárcere do mundo
De tão poucas alegrias

Essa cela isolada
Essa luta sem sossego
Uma vida agitada
Sigo e não peço arrego

Cantar o amor que se foi
Brindar o amor que nasceu
A tristeza fica pra depois
A música é o cetro de Deus

Assim vou vivendo a cantar
Tocando em meu bandolim
As cordas me fazem lembrar
O anjo moleque em mim

Na serra tocando no alto
Seguindo na rota do sol
E se procurando por algo
Em cada canção um farol

Essa correria solta
Na prisão do dia-a-dia
Faz-me cárcere do mundo
De tão poucas alegrias

Essa cela isolada
Essa luta sem sossego
Uma vida agitada
Sigo e não peço arrego

Cantar o amor que se foi
Brindar o amor que nasceu
A tristeza fica pra depois
A música é o cetro de Deus

Assim vou vivendo a cantar
Tocando em meu bandolim
As cordas me fazem lembrar
O anjo moleque em mim

Vídeo incorreto?