Todo cambiteiro tem um reio
Todo carreiro tem um facão
Amor de capinheiro não me engana
Todo cortador de cana tem uma foice de mão

De madrugada quando a usina apita
Vem o feitor chamando a rapaziada
E o vaqueiro dando grito na boiada
E a moenda quebra cana todo dia
Vaco, paró e turbina
Até a destilaria

Todo cambiteiro tem um reio
Todo carreiro tem um facão
Amor de capinheiro não me engana
Todo cortador de cana tem uma foice de mão

De manhãzinha o carreiro vai carrear
O cambiteiro também sai pra cambitar
Chega na palha carrega seu animal
Dá um grito e um estalo de reio
Ele desce sem receio daquele canavial

Todo cambiteiro tem um reio
Todo carreiro tem um facão
Amor de capinheiro não me engana
Todo cortador de cana tem uma foice de mão

Já fui carreiro e cambiteiro em Goiana cortar cana
Era minha profissão, na hora vaga ia encher o vagão
Mas digo, hoje sou um pobre cambiteiro
Trabalho, ganho dinheiro na fazenda do patrão, seu João