O começo que jaz


Eu lhe dou as boas vindas - minha faísca
Venha me iluminar!
Comece a bater agora - você, meu coração!
Eletrifique meu humilde ser
Caia sonhando dentro deste poço de vida

Por toda a volta estes sussurros intermináveis
Estão aí para me manter seguro e aquecido
Enterrado em eterno zunido
Nunca mais me sentirei tão calmo

Meu mundo é água
Ele existe para me aquecer
Dentro da escuridão dela
Ninguém pode me fazer mal

Com estes espasmos do mundo
Suprimido dentro do mundo
O gosto amargo de olhos avermelhados
Em suor e lágrimas entre suas coxas

Dentro destes espasmos de minha alma
Meu corpo perdido, a calma suavizante dela
Eu ouvi sua distante e desfalecente batida
Eu tomo fôlego - para começar a gritar.

Meu mundo era água
Apenas para me aquecer
Dentro da escuridão dela
Ninguém poderia me fazer mal

Onde está você agora - sua faísca - que me iluminou?
Para começar este torturante coração de mim?
Para estalar o relógio que faz tique-taque e zune
Enquanto cai dentro do que eles chamam de vida

E como eu perdi esses sussurros infinitos
Cercando-me, segurando-me calorosamente
Tão profundamente dentro de um zunido perpétuo
Nunca mais me senti tão calmo

Algumas vezes quando eu espero dormindo
As memórias que permanecem tão profundas
Transbordam e então eu começo a chorar
Quando me recordo de como eu comecei a morrer